Em parceria com as entidades holandesas Good Fish Foundation e a Universidade de Wageningen, a Sciaena acolheu estudantes de diversos mestrados desta universidade durante duas semanas para a parte prática de um projecto curricular, onde o objetivo é providenciar aos alunos uma primeira experiência de trabalho efetivo, neste caso, num projeto de consultoria. Este projeto em particular, com o título “Towards sustainable seafood consumption in the Algarve”, tinha como objetivos principais avaliar a relevância de pescado sustentável no panorama algarvio e explorar formas de aumentar a sua importância.

O trabalho de campo realizou-se entre 4 e 15 de junho em 5 áreas: Faro, Loulé, Quarteira, Olhão e duas ilhas (Culatra e Armona). Os alunos entrevistaram representantes de diferentes sectores, instituições, autoridades e consumidores (habitantes locais e turistas), de forma a mapear as diferentes formas de comercialização de pescado no Algarve, as principais formas de produção e consumo, assim como um estudo sobre a perceção dos consumidores em relação a temas como sustentabilidade, pequena pesca e pesca industrial, bem como diferentes tipos de certificações. No final da sua estadia, os alunos realizaram uma apresentação com os resultados preliminares para uma audiência que contou com algumas das pessoas entrevistadas. Posteriormente, procederam já na sua universidade ao estudo dos dados obtidos e à produção de relatórios.

Aqui ficam algumas conclusões mais relevantes:

  • As cadeias de comercialização de pescado no Algarve são complexas devido à diversidade de consumidores, espécies, métodos de pesca e locais de compra.
  • A pequena pesca é parte vital da identidade e herança cultural da região do Algarve, mas o seu futuro é incerto devido a uma multiplicidade de desafios.
  • Certas colaborações existentes relacionadas com pesca sustentável poderiam beneficiar de uma abordagem inclusiva das diversas entidades afetas ao setor da pesca.

No que diz respeito aos consumidores:

  • Para uma porção significativa dos consumidores, a sustentabilidade não é um fator-chave na compra de pescado, mas sim a frescura, não ser proveniente de aquacultura e ter sido capturado localmente.
  • Os consumidores mostraram-se disponíveis a receber mais informação sobre a produção de pescado e nível de sustentabilidade.
  • Os consumidores querem informação simples e facilmente disponível, idealmente nas embalagens ou em menus de restaurantes, mas também em plataformas online ou redes sociais.
  • O turismo é o setor económico mais importante no Algarve, e existem oportunidades para ligar projetos de turismo cultural com atividades como a pesca.

A Sciaena aproveita para agradecer a estes alunos pelo seu empenho, aos seus orientadores Hilde Toonen e Paul van Zwieten, e à Universidade do Algarve pelo apoio logístico.

Fotografias

Facebook

Twitter

Newsletter

Subscreva a nossa Newsletter.
O seu email será usado única e exclusivamente para enviar as nossas newsletters. (Politica de Privacidade)
Coligações
Parceiros